• Palácio Imperial de Petrópolis, residência de verão do imperador d. Pedro II e sua família, construído entre 1845 e 1862. Abriga o Museu Imperial desde 1940.
  • François René Moreaux. Proclamação da Independência do Brasil. Óleo sobre tela, 1844.
  • D. Pedro II. Escultura oferecida pela municipalidade de Petrópolis ao Museu Imperial, em 1941. Jardins do Palácio Imperial de Petrópolis.
  • Friedrich Hagedorn. Vista do Palácio Imperial de Petrópolis. Têmpera sobre cartão, c. 1855.
  • Sala de Estado. Palácio Imperial de Petrópolis. À esquerda, o trono imperial do Palácio de São Cristóvão, residência oficial da família imperial brasileira.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9

Antes e depois

Confira o antes e depois da restauração do pórtico de cantaria do Palácio

 

Clique nas miniaturas abaixo para ampliá-las.

 

            {rokbox title=|Fachada.|size=|800 400|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/geral - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Pintura do teto.|size=|800 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/pintura teto 1 - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Pintura do teto.|size=|800 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/pintura teto 3 - red.jpg{/rokbox} 

{rokbox title=|Crosta negra.|size=|780 270|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/crosta negra 1 - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Crosta negra.|size=|800 320|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/crosta negra 4 - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Crosta negra.|size=|800 340|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/crosta negra 3 - red.jpg{/rokbox} 
 
             {rokbox title=|Base do cachepot (vaso).|size=|800 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/base cachepot - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Preenchimento da beirada.|size=|800 400|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/beirada - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Cachepot (vaso).|size=|500 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/cachepot-red.jpg{/rokbox}
 
              {rokbox title=|Preenchimento da varanda.|size=|500 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/varanda 1 - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Preenchimento da varanda.|size=|800 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/varanda 3 - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Preenchimento da varanda.|size=|500 350|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/varanda 2 - red.jpg{/rokbox}
 
                                  {rokbox title=|Vegetação e fios.|size=|800 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/vegetao e fios - red.jpg{/rokbox}  {rokbox title=|Piso.|size=|500 300|}images/stories/imagens_museu/restauroporticomi/antesedepois/piso - red.jpg{/rokbox}
 

Veja como foi...

 

Andamento do Restauro

Veja como foi a restauração do pórtico de cantaria do Palácio

   

17/02/2011

Os restauradores já concluíram o trabalho na parte frontal do pórtico e terminaram a aplicação do protetivo, substância que preserva o granito contra intempéries. Os andaimes dessa área já foram removidos.
 
 
 
                                     Foto: Bárbara Skaba
17-02-11 prtico

 
 
14/02/2011
 
Esta semana, o restauro do pórtico entra em fase final. Já foi concluída a pintura do teto e, agora, os especialistas realizam a limpeza do granito. Em seguida, será concluída a aplicação de protetivo, substância que conservará a pedra.
 
Também são inseridos os últimos rejuntes e próteses nas pequenas lacunas que ainda restam.
 
 
          Fotos: Bárbara Skaba
prtico_limpeza do granitored prtico_preparo da massa do rejuntered

 

 

03/02/2011

A volumetria da parte abobadada do teto do pórtico já foi concluída e, agora, os restauradores aplicam uma massa fina. Em seguida, será dado o acabamento com uma pasta de cal para, então, ser realizada a pintura.

 

                                           Fotos: Bárbara Skaba
teto

 

Na cimalha (beiral da balaustrada), as próteses e obturações foram finalizadas e os profissionais realizam a limpeza, para retirar restos de cimento e terra. O próximo passo será o acabamento com uma massa fina, feita com granito em pó. Na parte de baixo, entre a cimalha e o topo dos arcos, as próteses são finalizadas.
 
 
cu

 

Nas muretas das rampas de acesso, os restauradores realizam as últimas aplicações de próteses.
 
 
pasta

 

28/01/2011

 

Esta semana, os restauradores realizam o trabalho no teto do pórtico. A massa que estava descolando é retirada e as abóbodas são refeitas com um emboço, produzido pelos especialistas com uma massa fina, para manter o aspecto original. As áreas ao redor do teto e as colunas foram revestidas com plástico para evitar sujeira.
 
Os profissionais também trabalham na recomposição volumétrica de dois dos cachepots (vasos) com uma massa de pó de mármore, cal e Primal (um polímero acrílico). A massa possui ainda pigmentos que simulam os veios do mármore, como no original.
 
 
                      Fotos: Bárbara Skaba        
preparao da massa para o tetored raspagem do emboo anteriorred 

 

 

18/01/2011 

Na balaustrada (varanda), os especialistas concluíram esta semana a inclusão de próteses, rejuntes, obturações e preenchimento de lacunas.

Na cimalha da balaustrada (trecho que se projeta para frente entre as partes inferior e superior do pórtico), já foram retiradas obturações antigas, feitas com cimento, e está sendo realizada a inclusão de próteses e novas obturações, dessa vez com granito da mesma cor da pedra original. A parte frontal já foi concluída e os profissionais finalizam as laterais.

O mesmo procedimento é realizado no piso das rampas que levam ao pórtico, ou seja, a retirada de próteses de cimento e sua substituição por outras de pó de pedra, semelhante ao original. Além disso, foi retirada a vegetação que crescia nas lacunas entre as pedras, que foram preenchidas também com material semelhante ao original. A rampa da ala direita já foi concluída e, agora, os restauradores fazem o procedimento na da ala esquerda.

 

         Fotos: Bárbara Skaba

preenchimento das lacunasred vegetao nas lacunas entre as pedrasred

 

14/01/2011

Esta semana, os restauradores trabalham na remoção de manchas de sais nas colunas do pórtico. Uma parte já foi concluída e o restante está em fase de finalização. Essas manchas, como mostra a foto, são as causadoras do aspecto esbranquiçado na pedra.   

Os profissionais também realizam o preenchimento de lacunas no piso da rampa de acesso ao pórtico.

 

            Fotos: Bárbara Skaba
trabalho_no_pisored mancha_de_saisred

  

 

06/01/2011

Esta semana, os restauradores realizam a reintegração do material pétreo na balaustrada (varanda superior), utilizando a pigmentação da pedra original. São executadas as obturações, com granito triturado, e aplicadas as próteses.  

 

                         Fotos: Bárbara Skaba
img_6882red img_6888red 

 

 

21/12/2010

Os profissionais realizam o restauro do teto da parte interna do pórtico, retirando a argamassa que estava em descolamento para aplicar uma nova.

A limpeza dos cachepots é feita por meio de uma máquina de água a vapor, sem produtos químicos, além de escovação manual. A maior parte desses vasos já teve sua limpeza concluída.

 

              Fotos: Bárbara Skaba
           img_6808red img_6820red

 

 

08/12/2010

Esta semana, os restauradores continuam a aplicação próteses de granito para preencher as lacunas e fissuras do pórtico. A colocação dos rejuntes já está em fase de conclusão.

Com relação à limpeza, a equipe já concluiu a parte do pórtico em si e, agora, conclui a limpeza dos cachepots (vasos).  

 

 
                 Fotos: Bárbara Skaba

             img_6707red img_6716red

 

 

03/12/2010

A restauração do pórtico de pedra do Palácio Imperial entrou, esta semana, em uma importante fase: a de reintegração e obturação de partes faltantes através de próteses em materiais compatíveis com os originais. Na mesma ocasião, deu-se início também à consolidação de elementos, bem como à reposição de rejuntes, principalmente nos pisos de pedra.   

Também está sendo restaurada a pintura do teto da parte interna do pórtico, que encontrava-se com descolamento. Já foi feita a raspagem para aplicação de nova camada de pintura.  

 Fotos: Fernando F. Barbosa
obturao 03-12-2010  03-12-2010 rejunte 1
 
 
26/11/2010
 
 
           Fotos: Bárbara Skaba 
img_5984red img_5980rede img_5989red
  
 
25/11/2010
 
Na quinta-feira foi realizado o trabalho de remoção de crostas negras e fungos, além da retirada das manchas.
 
 
Fotos: Fernando F. Barbosa
remoo de crostras negras e fungos 25-11-2010red  remoo de manchas - 25-11-2010red

 

23/11/2010

   

                    Fotos: Fernando F. Barbosa 
restauro prtico 23-11-2010  2  restauro prtico 23-11-2010  3
 
 
 
18/11/2010
 
A equipe responsável pelo restauro do pórtico de pedra do Palácio Imperial vem avançando na intervenção. A primeira limpeza, com jato de água, já foi concluída e tirou o excesso de sujeira, principalmente nas crostas negras. Agora, começa uma limpeza mais profunda, utilizando os produtos químicos adequados.
 
Hoje, os restauradores também deram início à aplicação de próteses para corrigir fissuras e lacunas. As próteses são feitas com fragmentos de granito semelhante ao existente e fixados com resina epoxídica pigmentada “in loco”, adequando-se à cor natural dos veios existentes da pedra.
 
 
  
                Fotos: Bárbara Skaba 
prticored4  sem ttulo-1
 
  
 
17/11/2010
  
Limpeza da varanda para remoção de crosta negra.
 
  
Fotos: Fernando F. Barbosa 
restauro prtico 2 - cpia  restauro prtico 1
  
  
08/11/2010
 
Colocação dos andaimes.
 
  
              Fotos: George Milek  
08-11-10 1  08-11-10 2
 
 
 

 
 
 

Restauro Pórtico MI

Restauração do pórtico de cantaria do Palácio
 
O Museu Imperial concluiu, no dia 21 de fevereiro de 2011, o restauro do pórtico de cantaria da fachada do palácio. A intervenção, que havia começado no dia 8 de novembro de 2010, corrigiu diversos problemas que vinham se acumulando ao longo dos anos em função de condições climáticas, sujeiras e outras adversidades a que a estrutura estava exposta.
 
Todo o processo teve como premissa interferir o mínimo possível na estrutura e usar materiais não-agressivos. As próteses inseridas, por exemplo, foram feitas com o material original, o granito, sempre com pigmentação o mais próximo possível da existente. Ao final do restauro, foi aplicado um protetivo (hidrofugante), substância que preserva a pedra contra futuras intempéries, impermeabilizando-a, mas, ao mesmo tempo, permite que ela “respire”.
 
Além do pórtico em si, também foram restaurados os cachepots (vasos) de mármore nele localizados, as rampas de acesso, a balaustrada (varanda) acima da estrutura e o piso.
 
A empresa responsável pela intervenção foi a Atelier Histórica de Arquitetura e Restauração, vencedora da licitação.
   fissura1 crosta_negra
 
 
O Pórtico
 
O Pórtico de Pedra, elemento de grande importância na arquitetura do palácio, foi construído no final da primeira metade do século XIX, fazendo parte de uma tradição em cantaria do Brasil.
 
Nas mais antigas e nobres edificações brasileiras, a pedra era aplicada nas alvenarias e na decoração das fachadas e interiores. Quanto maior a riqueza ornamental em pedra, mais importante e imponente era a edificação. A escolha do tipo de rocha a ser utilizada variava conforme o serviço a ser executado e a região do país. No caso do Pórtico do Palácio Imperial, o material escolhido foi o granito.
 
Constituído por uma estrutura em abóbada, o Pórtico tem apoiado sobre ele um terraço (ou varanda) guarnecido por balaustradas, intercaladas com pedestais encimados por cachepots em mármore. Os arcos que compõem o conjunto são ladeados por pilastras de inspiração jônica, o que remete ao gosto neoclássico predominante naquela época.
 
lacuna
 
 
O restauro
 
A intervenção em um bem de tamanha importância histórica deve ser sempre amparada por critérios claros. As discussões e teorias atuais preconizam o atendimento a três elementos básicos para a execução de restaurações arquitetônicas: mínima intervenção, compatibilidade e reversibilidade.
 
Atendendo a estas diretivas e considerando os materiais em questão, foi estabelecida uma linha de conduta para intervenção que resgate a integridade do conjunto e respeite os limites de historicidade impressos em sua superfície.
 
O primeiro passo foi realizar um diagnóstico minucioso, com a identificação dos danos. Em seguida, foi elaborado um projeto de restauro, executado pela empresa vencedora da licitação. A última etapa é o treinamento da equipe do Museu Imperial para que seja feita a preservação da estrutura, através do uso de materiais e técnicas corretas de limpeza, e para que não haja intervenções inadequadas. 
Os problemas encontrados no pórtico durante o diagnóstico foram causados pelas condições ambientais e por intervenções inadequadas realizadas ao longo do tempo. Entre eles, estão:
 
- Presença de liquens e vegetação
- Crostas negras
- Desagregação
- Fissuras
- Lacunas
- Descolamento de pintura do teto
- Materiais inservíveis
- Perda do rejunte e rejuntes feitos com cimento
- Prótese inadequadas (de cimento)
 
Para solucioná-los, a empresa contratada, especializada em restauro de bens tombados, realizou os seguintes procedimentos, sempre usando material adequado:
 
- Remoção de vegetação e aplicação de herbicida
- Limpeza do pórtico e do piso para reduzir sujeiras e manchas
- Aplicação de próteses com o material original para recompor fissuras e lacunas
- Consolidação de áreas em processo de escamação
- Remoção da massa de cimento do teto, aplicação de nova à base de cal e repintura
- Remoção de materiais inservíveis
- Remoção dos rejuntes inadequados e aplicação de novos com material
  e pigmentação originais
- Manutenção dos elementos metálicos
- Aplicação de protetivo
Veja como Foi..
Antes e depois