04.05.1876

Chegamos a Omaha 5h da manhã. Passamos de noite por Grand-Island 1000 a 1200 hab. Quando a estrada chegava até aí havia muitos búfalos, estendendo-se seu aparecimento até 200 m. para O[este]. Estes animais foram obrigados a atravessar o Platte vindos dos vales de Arkansas e Republican onde tinha invernado voltando de novo gordos no fim do outono; porém desde que esta região povoou-se poucos tem sido vistos. Em 1860 havia números imensos deles ao sul do Platte — perto de Fort Kearnex. Eram tão grandes as manadas que os imigrantes paravam até os búfalos atravessarem a estrada para Fremont com cerca de 3000 hab. 

Tem 7 igrejas e belas escolas. Já 7 anos era a thiring plane in the midst of a beautiful country. A linha de Fremont and Elkim transportou em 1873 mais de 2000 carros de trigo — e para Elkhorn em cujas planícies há peru (turkey) selvagem, antílopes e gamos.

Omaha tem 18.000 hab. Na ida andei por ela. Belo edifício da Universidade ou antes high-school. Publica 3 diários em inglês e também em alemão; outro boêmio e outro escandinavo. Há oficina da Companhia. O edifício do correio e tribunal tem 4 andares e custou 350.000 dol[áres]. Visitei então as Smething-Works para separação da prata do chumbo e ouro no valor anual de 1.000.000 dol[áres]. A companhia erigiu no seu depot uma casa para emigrantes. Omaha está a 9660 pés a[ltura] do mar.

Na ida seguimos de Omaha para Dunlau, Denison, Tip-top, etc. Agora voltamos para outra linha a Chicago. Temos de andar 504 milhas a 20 por hora fazem 25 a 26 horas. 

6h 7’ — Saímos e vamos atravessar o Missouri em ponte de ferro com dormentes de madeira no que gastaram-se andando devagar quase a passo de cavalo 8’. 

O rio deixa grande parte do que cobre descoberta. Até Council-Bluffs a 11 m. Mesmo caminho da ida. Planície como a mesma entre Sydney e Omaha (410 m.). Estivemos muito tempo parados junto a diversos trens, mas enfim 6 ¾ partimos — Tornamos a parar. Move-se de novo. Passa por oficinas. 

7h Creio que vai agora seguindo. Para em Council-Bluffs. Vi bonitas casas com jardinzinhos. Adiantei o relógio de ¾ em relação a Sydney.

8h 10’ partimos. Terras cultivadas, mas água como de inundação em diversos lugares. Choveu de noite e está com aspecto chuvoso. Menos frio que ontem. 

Na direção que seguimos na ida nada houve de notável. Tenho lido bastante dos guias, o 1º volume das poesias de Bryant, poesias de Miller, que sinto não ter encontrado em S. Francisco — achava-se em Inglaterra onde de certo há de ser devidamente apreciado, assim como Bret-Heart que está em Boston — e agora leio a viagem de ao O[este]. dos Estados Unidos de Kirchoff.

Não sei se falei do Tabernáculo Mormón que visitei em S. Lake. Admite de 7 a 8.000 pessoas e tem imensa cobertura de abóbeda de madeira que não se apoia em pilares. O órgão é imenso e tem 3.000 tubos. No tempo frio por não ser possível aquecê-lo celebra Brigham Young noutro menor ao pé daquele.

Tocamos em Pacific-Junction donde seguimos às 8h 35’. Antes vi campos de milho já colhido. 

9h 6’ — Passamos Glen-Wood. Casas com jardins, árvores — É capital de Mills Country

9h 10’ — Passamos por Hillsdale com bastantes casas e uma igreja pequena — parece-me. 

9h 20’. Passamos por Melvern. Tem bastantes casas, e vejo 2 igrejas sobre uma colina à esquerda. Passamos por plantações de milho já colhido. 

9h 32’ Hastings — Tem suas casas e um hotel Perry de bonita aparência. Tenho atravessado desde Omaha muitas pontes cobertas, como tenho notado são quase todas na estrada de ferro. 

9h ¾. Emerson. Bastantes casas. Vejo como uma igreja. Passaram-se mais 2 pontes cobertas. Na estrada do pacífico observei que junto a cada ponte telegráfica vê-se o topo de um pau saindo da terra. Creio que é um pau enterrado para suprir a falta do poste. Noto de certo ponto para cá cercas de ambos os lados desta estrada. 

18h 13’ — Red-Oak e bastantes casas (antes passamos por Harthorn, porém não o notei); Vejo igreja grande; vejo um grande edifício que deve ser escola ou Court-House ou City-Hall.

Passamos por Stanton. Bastantes casas. Vi uma igreja. Houve interrupção de cercas em lugares necessários, mas voltam agora. Na estrada do Pacífico faltam as cercas e por isso os animais embaraçam os trens. 

11h Villisca. Bastantes casas. Vejo um edifício grande, que parece-me escola. 

11h 13’. Nodaway — lugar de mato sem folhas ainda agora — milharais — terras muito bem cultivadas — Ponte sempre cobertas.

11h 22’ — Brooks. Muito poucas casas. 

11h ½ — Corning. Bastantes casas. Grande edifício.

12h 13’. Prescott. As terras anteriores pouco cultivadas. Não muitas casas. O gado visto até agora não é muito bonito. Bonito terreno acidentado e cultivado. 

12h 6’. Cromwell com algumas casas. Vejo um pequeno hotel. 

12h 21’. Creston. Grande povoação. Há oficina da estrada de ferro. Vejo a imprensa do Democrat; uma Libray-Building de sobrado. 

Saímos a 12h 34’. Parece-me ver um poço artesiano em perfuração ou poço de moinho que se faz de vento. Terreno bem acidentado onde pasta gado. 

1h 5’. Afton. Tem algumas casas. É o nome de quem fez os gastos da expedição científica de Agassiz ao Brasil. 

1 ½ Murray. Algumas casas espalhadas. Vasta campina cultivada. 

2h 5’. Passamos por Osceola. Povoação de alguma importância. É o nome de um índio da Flórida que viajou pela Europa onde se instruiu e depois veio guerrear com a sua tribo os Estados Unidos. 

2h 25’. Woodburn. Tem bastantes casas. Vejo uma à esquerda sobre a colina que parece escola. 

2h ¾ Lucas. Algumas casas. Vejo ao longe à direita sobre uma colina como uma caixa de água. Terreno muito acidentado. A estrada atravessa colinas. Lindo campo à direita em colinas. À esquerda também se desafoga o terreno. 

3h 5’. Chariton 800 p[és]. acima do mar. Está em linha divisória das águas do Mississipi e do Missouri. Tem suas casas. 

3h ¾. Já deixamos Chariton. Tem bons edifícios; um dos quais parece-me escola e oficinas da estrada. Terreno plano todo cultivado. 

4h Russel. Tem suas casas pequenas e maior a Railroad-House (hotel). 

4h 20’ Melrose. Algumas casas. Pequena igreja sobre a colina da igreja. Atravessamos terreno quase que de árvores ainda em esqueleto. 

4h 50’. Tyrone. Poucas casas. Derrubam as árvores à direita. Atravessamos um mato de esqueletos de árvore e várias pontes cobertas. 

5h Albia. Casas pequenas. Não se vê bem, por ora, a estrada atravessa a povoação numa cava. Agora vejo casas boas e uma igreja. Parece ser escola um grande edifício. Terras planas cultivadas. 

5h 24’. Frederic. Poucas casas, mas lá está o hotel. Casa grande numa colina à esquerda. 

5h 35’ Chillicothe. Poucas casas. Outra ponte coberta, creio que por ser de madeira. Outra. Mais uma. Mato. Outra ponte coberta. Outra. 

5h 44’. Chillicothe — bastantes casas. Rio largo, na esquerda, cuja margem esquerda percorre-se. É o Des Moines River. 

6h 6’. Passado o Des Moines em ponte coberta. 6h Ottumwa. A maior cidade entre o Missouri e o Mississipi. Já vi uma Iron-Works; Pluring-Mill; torres de igrejas e grandes edifícios. Vê-se à direita sobre o Des-moines aproveitando uma ilha, uma bonita ponte de ferro sobre 6 pegões de madeira até à ilha. Vi oficina na estrada, Gasômetro e um grande edifício à esquerda com aspecto de escola. 

Às 6h e 20’ ficara atrás Ottumwa 285 m. de Chicago. Margem esquerda do Des Moines à direita.

6h ½ Agency-City. Algumas casas e parece-me ter visto uma boa casa de escola com para-raios. Hoje e em Salt-Lake-City é onde tenho visto para-raios. 

7h 12’ Batávia. Vejo a chaminé de uma fábrica que não parece pequena. Bastantes casas e pareceu-me ver uma boa casa de escola. O terreno de belos campos cultivados e muitos sem folhas que mostram mais ou menos cortes. 

7h 12’ Whitfield. Não pude ver bem. 

7 ½. Fairfield. Pouco depois das 10 que me deitei e estivemos parados em Burlington passou-se o Mississipi numa grande ponte de ferro. Burlington tem a University, uma livraria pública e belas casas. Fairfield tem um land-office, um seminário de meninas e um colégio do Estado. De noite passou-se Mount-Pleasant com o Whittler College e Werlegan University e diversas boas escolas.

04 05 1876 1a pagina apontamentos do dia original