06.07.1876

    Fui à battery pelo elevated-rail-road. Pareceu-me seguro. Há freqüência de trens. O lugar da battery é bonito com seus cais de pedra junto ao rio ou antes mar. Vi casas de banhos, mas não entrei.

    Depois das 10 fui a Blackwell-Island tendo primeiro obtido licença no office onde ficaram surpreendidos quando eu disse o meu nome. O Dr. Fontes acompanhou-me. Vi aí o hospital de loucas onde ainda liga as furiosas às cadeira por correias. Contudo não é mau e tem sala para 600 a 700 pessoas com teatrinho onde há representações de pessoas de fora para divertimento dos loucos. Só tem banheiro para lavagem. Casa de trabalho para mais de mil pessoas; bem arranjada. Asilo de pobres, também me agradou, porém a penitenciária para 800 a 900 presos tem os mesmos defeitos das de Boston e Albany. O hospital de Caridade para 700 a 800 pessoas é bom, e tem anexos separados para os bexiguentos que são às vezes em grande número sobretudo entre os imigrantes alemães, e para febre amarela e tifóide. Estão construindo na penitenciária por meio dos presos que já fizeram um edifício para oficinas. No hospital vi uma mulher que teve a noite passada três filhos dos quais um morreu horas depois. A ida em barco de vapor até à ilha é muito bonita.

     Depois das 5 ½ fui ao parque e apeando-me fiz melhor idéia do lago, que é mui lindo e onde andavam botes a remos. À noite assisti em Wallack’s Theatre que não é muito a comédia Mighty-Dollar, que foi bem representada e tem bastante graça. Aí falei pela primeira vez de meu camarote perto da platéia com Mr. e Mrs. Tribault (creio eu) que visitaram minha mulher quando eu fui a S. Francisco. A mulher tem muita vivacidade de espírito e parece francesa até no nome. Devia ter sido muito bonita. O marido também tem graça, mas não é tão pronto como ela nos repentes. Offenbach estava defronte num camarote. Estudei-lhe bem a fisionomia, que não me agrada, apesar de inteligente e espirituoso.

 

06.07.1876 Original