banner imprensa

Sociedade de Amigos doa peças para o acervo do Museu Imperial


Sociedade de Amigos doa peças para o acervo do Museu Imperial

Doações foram realizadas no evento de comemoração dos 20 anos da SAMI

 o_diretor_do_mi_maurcio_vicente_ferreira_jr._e_os_membros_da_sami

No último sábado, dia 05 de novembro, foram comemorados os 20 anos da Sociedade de Amigos do Museu Imperial (SAMI). Para celebrar, foi realizada uma cerimônia na qual a associação presenteou o Museu com peças para os acervos museológico, arquivístico e bibliográfico da instituição.

 

Para a Biblioteca foi doada uma obra raríssima, Funcções do casamento de sua Magestade Imperial, o senhor Dom Pedro I° com a sereníssima senhora princesa Amelia de Leuchtenberg. O livro, datado de 1830, traz todo o serviço do casamento de d. Pedro I com sua segunda esposa, d. Amélia, além de poemas e dedicatórias escritas para os noivos. Entre elas, encontra-se uma ode escrita por Félix Émile Taunay, importante pintor francês do século XIX.

 

O Museu recebeu ainda, para o setor de Museologia, um retrato de d. Leopoldina, primeira imperatriz do Brasil. A pintura tem autoria e data desconhecidas, mas, pelos trajes, é possível identificar que d. Leopoldina foi retratada já como imperatriz, o que restringe o período entre 1822 e 1826 (ano de seu falecimento).

 

Já o Arquivo Histórico foi presenteado com uma série de oito fotografias que formam um panorama em 360° de Petrópolis. As imagens foram capturadas em 1898 por Jorge Henrique Papf, a partir do Morro do Cruzeiro (conhecido atualmente como Morro dos Milionários) e incluem a cadeira na qual o imperador d. Pedro II costumava se sentar para apreciar a vista da cidade.

 

O presidente da SAMI, dr. Miguel Pachá, ressaltou a importância das sociedades de amigos de museus. “Essas associações são necessárias para que o museu possa desenvolver atividades além das possibilitadas pelo seu orçamento anual, como é o caso da aquisição dessas peças. Assim, mantemos os museus vivos”.

 

O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Júnior, lembrou que, na data, também era comemorado o Dia Nacional da Cultura, sendo uma ocasião para enfatizar a importância da SAMI não só para o Museu Imperial, mas para a cultura de forma geral.

 

“As principais missões de um museu são preservar, pesquisar e comunicar seu acervo. E a Sociedade de Amigos e demais parcerias que o Museu possui permitem ampliar essas atividades”, afirmou. “Através dessas parcerias, conseguimos desenvolver projetos como o espetáculo Som e Luz, patrocinado pela Eletrobras, o restauro da Berlinda de Aparato de d. Pedro II, financiada pela GE Celma, e o Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (DAMI), patrocinado em sua primeira fase pela IBM e, atualmente, mantido pela própria SAMI”.

 

Após a cerimônia, foi oferecido pela SAMI um concerto de Turíbio Santos no Cine Teatro Museu Imperial, gratuito e aberto à população. Considerado um dos principais violonistas brasileiros da atualidade, Turíbio apresentou obras de importantes compositores nacionais, desde Heitor Villa-Lobos a Jackson do Pandeiro, passando por João Pernambuco e Luiz Gonzaga.

 

Berlinda de d. Pedro II será restaurada às vistas do público


Berlinda de d. Pedro II será restaurada às vistas do público

 

A partir do dia 8 de novembro, o público poderá acompanhar o restauro de uma das mais emblemáticas peças do Museu Imperial: a berlinda de aparato de d. Pedro II, conhecida como “Monte de Prata” ou “Carro Cor de Cana”. A iniciativa, que conta com patrocínio da empresa petropolitana GE Celma, a partir da Lei de Incentivo à Cultura, e o apoio da Sociedade de Amigos do Museu Imperial (SAMI), permitirá a conservação desse patrimônio histórico.

 

O projeto foi iniciado há cerca de um ano, com a captação de recursos, aquisição de material, planejamento estratégico, adaptação do espaço e, mais recentemente, o desmonte das peças da viatura. No dia 08, será iniciado o processo de restauro em si, realizado às vistas do público. O procedimento ocorrerá na Galeria de Restauro, sala recém-inaugurada pelo Museu Imperial, anexa ao Pavilhão das Viaturas.

 

Além de poderem seguir a restauração de perto, estudantes, profissionais da área e outros interessados também poderão acompanhá-la através do portal do Museu Imperial (www.museuimperial.gov.br). Periodicamente, uma página especial será atualizada com informações e fotos do projeto.

 

É a primeira vez que a peça, construída em 1837, passa por uma intervenção tão complexa, que deve durar cerca de 12 meses. A restauração será feita diretamente pela equipe do Laboratório de Conservação e Restauração do Museu, que realizou a capacitação de pessoas da comunidade petropolitana para auxiliar no processo.

 

A Berlinda

 

A berlinda de aparato foi construída em 1837 pela firma britânica Pearce & Countz, fornecedora da Casa Real Inglesa, especialmente para a cerimônia de sagração e coroação de d. Pedro II, ocorrida no dia 18 de julho de 1841. Era utilizada pelo imperador em ocasiões solenes, como os casamentos de suas duas filhas, a abertura e o fechamento da Assembleia Geral.

 

A carruagem foi confeccionada em madeira e ferro e tem em seus elementos decorativos prata, madeira entalhada com folha de ouro e pintura que remete à cana-de-açúcar, couro, janelas em cristal, bordados e galões em fios dourados, estofamentos e revestimentos em veludo de algodão, etc. Era puxada a oito cavalos.

 

Biblioteca infantil do Museu Imperial divulga programação de novembro


Biblioteca infantil do Museu Imperial divulga programação de novembro

 img_0208

Em novembro, a Biblioteca Rocambole, biblioteca infantil do Museu Imperial, terá uma programação especial voltada para os dias nacionais da Música, da Alfabetização e da Consciência Negra. Serão leituras, contações de histórias, poesias e oficinas destinadas a grupos escolares.

 

Em comemoração ao Dia Nacional da Música (22/11), será realizada a atividade “Hora da Poesia” nos dias 11 e 25, às 13h30. Após a leitura de poesias do livro Caixinha de Música, de Roseana Murray, haverá momento de contato e leitura espontânea na Biblioteca Rocambole.

 

Ainda em homenagem à música, no dia 16, às 15h, acontece a “Hora do Conto” com o livro Mozart, extraído da coleção Crianças Famosas, de Ann Rachlin. A leitura será acompanhada de performance de Carolina Knibel ao piano, apresentando  obras de Wolfgang Amadeus Mozart. Em seguida, as crianças participarão de oficina criativa e sensibilização musical.

 

No dia 09, será celebrado o Dia Nacional da Alfabetização (14/11) com a oficina “Vamos brincar com as palavras?”, realizada às 15h. A atividade terá como base a leitura das obras Para Onde Pulou a Pulga? e Na Venda de Vera, de Hebe Coimbra.

 

Lembrando o Dia Nacional da Consciência Negra (20/11), haverá “Hora do Conto” no dia 23, às 15h. Após leitura da obra A vida de Zumbi de Palmares, coordenada por Joel Rufino dos Santos e publicada pela Fundação Cultural Palmares do Ministério da Cultura, acontece uma oficina criativa.

 

Já no dia 23, às 15h, o livro explorado será Meus Contos Africanos, publicação que contempla contos selecionados por Nelson Mandela. A contação será dinamizada por Alaíde Guedes e seguida de oficina.

 

Todas as atividades são destinadas a grupos escolares previamente agendados. As instituições interessadas em participar podem realizar o agendamento junto ao setor de Educação do Museu Imperial, através do telefone (24) 2245-7735.

 

A Biblioteca Rocambole funciona de quarta a sexta-feira das 9h às 12h (leitura espontânea, consultas e empréstimos) e das 14h às 17h (atividades escolares agendadas). Seu acervo é composto de cerca de 350 obras, entre as quais livros, revistas, gibis, dicionários, atlas e DVDs.

 

A programação mensal de atividades da Biblioteca Rocambole e outras informações relativas ao seu funcionamento e acervo podem ser acessadas no Blog da Biblioteca: http://bibliotecarocambole.blogspot.com.

 

Museu Imperial recebe doação de coleção com 91 peças

Museu Imperial recebe doação de coleção com 91 peças

 casaco_de_beb

O Museu Imperial recebeu recentemente uma importante doação para seu acervo. O casal Eduardo e Sônia Soares Sampaio doou 91 peças das chamadas “roupas brancas”, que consistem em roupas de uso íntimo. Todas são datadas do século XIX e primeiras décadas do XX.

 

A família Soares Sampaio descende de Heloísa Leal e Joaquim Elísio Pereira Marinho, viscondessa e visconde de Guaí. Entre as peças doadas, encontram-se artigos que pertenceram à viscondessa, como uma blusa e um lenço.

 

Na coleção, existem ainda camisolas, toucas, calçolas, camisinhas de pagão, lençóis, fronhas e toalhas de mesa. Os itens são confeccionados em cambraia de linho, fustão e rendas de diversos materiais.

 

Segundo Ana Luisa Alonso de Camargo, chefe do setor de Museologia do Museu Imperial, “essa doação vem enriquecer ainda mais a coleção de indumentária do Museu e, em especial, de indumentária infantil”.

 leno_da_viscondessa_de_gua

As peças serão preservadas na reserva técnica do Museu, sob responsabilidade do setor de Museologia. Mais informações sobre o setor e agendamentos para consulta ao acervo podem ser feitas pelo e-mail mimp.museologia@museus.gov.br.