banner imprensa

Museu Imperial: domingo de Páscoa terá visitação gratuita para petropolitanos

Museu Imperial: domingo de Páscoa terá visitação gratuita para petropolitanos
 
Moradores da cidade poderão aproveitar o feriado para levar a família ao Museu
 
 
No dia 24 de abril, domingo de Páscoa, moradores de Petrópolis poderão visitar gratuitamente o Museu Imperial. O acesso livre faz parte do projeto “O Museu é Nosso”, que concede entrada franca a petropolitanos todas as quartas-feiras e no último domingo de cada mês.
 
"A celebração da Páscoa aproxima os familiares, e por que não aproveitar o momento e coroar o domingo com um programa cultural válido para toda a família?”, ressalta o diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr.
 
Para obterem a gratuidade, os visitantes devem retirar os ingressos de cortesia na bilheteria do Museu, mediante apresentação de comprovante de residência e documento de identidade.
 
O Museu Imperial estará aberto à visitação durante todo o feriado, das 11h às 18h, com abertura dos jardins às 8h. Também ocorrerão normalmente os espetáculos Som e Luz (de quinta a sábado, às 20h) e Um Sarau Imperial (sexta e sábado, às 18h30).
 
O projeto Som e Luz oferece a oportunidade de reviver alguns dos mais importantes momentos do Segundo Reinado no Brasil. Essa superprodução, com duração de 45 minutos, utiliza efeitos especiais de iluminação e sonorização para dar ao público a impressão de uma viagem no tempo, diretamente para o baile das princesas Isabel e Leopoldina.
 
Um Sarau Imperial é uma atividade interativa que proporciona a vivência de uma atividade de lazer comum no século XIX. Na dramatização, passada em 1878, a princesa Isabel recebe convidados para uma reunião social, na qual conversam sobre aspectos políticos, sociais, econômicos e culturais daquele período, embalados por modinhas imperiais e declamação de poesia.
 

Museu Imperial integra ranking internacional de exposições mais visitadas

Museu Imperial integra ranking internacional de exposições mais visitadas
 
A revista britânica The Art Newspaper divulgou, este mês, o resultado de um ranking anual sobre os museus e exposições de arte mais visitados do mundo. Pela primeira vez, o Brasil aparece na pesquisa, ganhando bastante destaque. E, entre as exposições apresentadas, está a mostra temporária Retratos no estrangeiro: o Brasil imperial nos ateliês franceses, realizada pelo Museu Imperial.
 
A exposição esteve aberta ao público entre outubro de 2009 e fevereiro de 2010, fazendo parte das comemorações pelo Ano da França no Brasil. A mostra – com curadoria das historiadoras e pesquisadoras do Museu Imperial Maria de Fátima Moraes Argon e Maria Inez Turazzi – reuniu imagens assinadas por pintores, gravadores, litógrafos e fotógrafos franceses do século XIX.
 
O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., destaca a importância dessa citação. "A ocorrência da exposição Retratos no estrangeiro nesse ranking é um ativo para a imagem institucional do Museu Imperial e da cidade de Petrópolis justamente em um período em que iniciamos a preparação para os eventos internacionais que o Rio de Janeiro e arredores estão prestes a receber", afirmou.   
 
O ranking – cujas informações sobre o Brasil foram fornecidas pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura) após pesquisa – inclui ainda exposições do Museu de Arte de São Paulo (MASP), Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília) e Museu de Artes e Ofícios (Belo Horizonte), entre outros. A 29ª Bienal de São Paulo, ocorrida de 19 de setembro a 12 de dezembro, aparece como a 12ª exposição de arte mais visitada em 2010, com um público de 535 mil pessoas.
 
O Brasil também é citado como detentor de cinco dos museus de arte mais visitados do mundo: os CCBB do Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo, o MASP e a Pinacoteca do Estado de São Paulo.
 
A matéria da revista sobre o ranking pode ser acessada no site da publicação, através do link http://www.theartnewspaper.com/articles/Japanese-old-master-tops-the-attendance-tree/23408, onde também está disponível a lista completa em PDF.
 
A exposição
 
Notáveis e anônimos da sociedade brasileira deixaram o registro de viagens e temporadas vividas na França em seus “retratos no estrangeiro”. Outros tiveram a expressão de seus rostos registrada em ateliês franceses estabelecidos no Rio de Janeiro. A criação dessas imagens ajudou a promover o intercâmbio de experiências e a compartilhar imaginários distintos entre brasileiros e franceses da época.
 
Entre os destaques da exposição, encontraram-se retratos de d. Pedro II e da família imperial exibidos pela primeira vez ao público; obras de Édouard Vienot, artista que se anunciava em Paris “peintre de l’empereur du Brésil” (“pintor do imperador do Brasil”); alguns dos primeiros daguerreótipos (fotografias sobre metal) realizados no Brasil; estampas das “imprimeries Lemercier e Didot, duas das mais famosas casas editoriais parisienses no século 19; e retratos assinados por Félix Nadar, um dos maiores nomes da fotografia francesa de todos os tempos.
 
 

Historiadora do Museu Imperial participa de seminário em Porto Alegre

Historiadora do Museu Imperial participa de seminário em Porto Alegre
 
A historiadora Maria de Fátima Argon, pesquisadora do Museu Imperial, participará do 5º Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre (5° FestFotoPoA). Ela concederá uma palestra no dia 8 de abril, às 14h.
 
O Festival , que terá como tema "A Família – relações sociais, memória, cidadania", ocorrerá no período de 6 de abril a 1° de maio. A participação da historiadora será na mesa “A família civilizada e a família domesticada”, dentro do V Seminário Fotografia, Memória e Patrimônio.
 
O 5° FestFotoPoA será realizado no Santander Cultural, localizado na Rua Sete de Setembro, 1028, Centro, Porto Alegre. Para mais informações, acesse www.festfotopoa.com.br.
 

Restaurante do Museu Imperial encerra suas atividades

Restaurante do Museu Imperial encerra suas atividades
 
O Museu Imperial informa que, a partir deste mês, não conta mais com o Arcádia Bistrô Imperatriz, restaurante que se situava nos jardins da instituição. Com a crise econômica provocada pela tragédia do 11 de janeiro na Região Serrana fluminense, o estabelecimento apresentou uma proposta de interrupção de suas atividades em caráter definitivo e o contrato com o Museu foi encerrado.
 
Devido à saída do Arcádia, o Museu Imperial abrirá uma nova licitação para restaurantes que desejem se instalar no local. O edital de abertura será publicado em breve no site.