banner imprensa

Um Sarau Imperial ganha horário extra em 2011

Um Sarau Imperial ganha horário extra em 2011
 
O projeto Um Sarau Imperial será ampliado em 2011, contando com um novo horário para as apresentações fixas. A partir deste mês, o espetáculo acontecerá sextas e sábados, às 18h30. O dia do projeto para grupos escolares também mudou, passando para as quintas-feiras.
 
Até 2010, o Sarau ocorria fixamente às sextas-feiras, tendo apresentações aos sábados somente para grupos agendados. Agora, será possível ao visitante comprar o ingresso individual também aos sábados.
 
A apresentação para grupos escolares, que passou de terça para quinta-feira, ocorrerá em dois horários: às 13h30 ou às 15h. Nesses casos, a participação é gratuita e deve ser previamente agendada junto ao setor de Educação. O agendamento pode ser feito pelo telefone (24) 2245-7735, de segunda a sexta-feira, das 11h às 17h.
 
Os ingressos para Um Sarau Imperial podem ser adquiridos na bilheteria do Museu Imperial e são limitados, pois o evento tem como público grupos de 20 a 120 pessoas. O valor do ingresso é R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia-entrada para estudantes, professores e maiores de 60 anos). Idosos com mais de 80 anos e guias com carteira da Embratur têm acesso gratuito.
 
SERVIÇOS
 
Um Sarau Imperial
Sextas e sábados, às 18h30
Quintas, às 13h30 e às 15h, para grupos escolares agendados
Local: Sala da Batalha de Campo Grande – Museu Imperial
Duração: 45 minutos
 
Preços:
- Adultos: R$ 10,00
- Estudantes, professores e maiores de 60 anos: R$ 5,00
- Grupos escolares agendados, maiores de 80 anos e guias com carteira da Embratur: gratuito
Pacotes:
- Pacote família: R$ 25,00 (2 adultos + 2 estudantes ou 2 idosos);
- Pacotes individuais:
Sarau + Museu = R$ 16,00 (inteira) R$ 8,00 (meia)
Sarau + Som e Luz= R$ 26,00 (inteira) R$ 13,00 (meia)
Sarau + Som e Luz + Museu = R$ 32,00 (inteira) e R$ 16,00 (meia)
 
Mais informações:
(24) 2245-8962 ou (24) 2245-4668 (Setor de Promoção)
 

 

Carruagem de dom Pedro II terá processo de restauração aberto ao público

Carruagem de dom Pedro II terá processo de restauração aberto ao público
 
Uma das mais emblemáticas peças do Museu Imperial ganhará cara nova. A Carruagem Cerimonial de d. Pedro II, conhecida como Monte de Prata, será restaurada em 2011. A iniciativa, que conta com patrocínio da empresa petropolitana GE Celma, a partir da Lei de Incentivo à Cultura, permitirá a conservação desse patrimônio histórico.
 
O restauro ocorrerá em uma sala de vidro, especialmente montada para que o público possa acompanhar o processo. Desse modo, estudantes, profissionais da área e interessados em geral poderão conhecer os procedimentos de restauração de uma peça museológica.
 
É a primeira vez que a peça, construída em 1837, passa por esse tipo de intervenção.
 
A Carruagem
 
A Carruagem cerimonial foi construída em 1837 pela firma britânica Pearce & Countz, fornecedora da Casa Real Inglesa, especialmente para a cerimônia de sagração e coroação de d. Pedro II, que ocorreu no dia 18 de julho de 1841. Era utilizada pelo imperador em ocasiões solenes, como os casamentos de suas duas filhas e a abertura da Assembléia Geral.
 
Puxada por oito cavalos, a carruagem foi confeccionada em prata e trazia os brasões do império, tendo ainda seus estofamentos e revestimentos em veludo germânico bordado. Devido ao nobre metal utilizado na sua confecção, era chamada pela população do Rio de Janeiro de "Monte de Prata". Também era conhecida como "Carro cor de cana", em função da sua coloração.
 

Arquivo Histórico do Museu Imperial recebe premiação

Arquivo Histórico do Museu Imperial recebe premiação
Instituição recebeu diplomação do Programa Memória do Mundo, da Unesco, na Ilha Fiscal
 
O trabalho do Arquivo Histórico do Museu Imperial recebeu um importante reconhecimento na última quarta-feira, dia 1º de dezembro: a diplomação do Registro Nacional do Comitê do Programa Memória do Mundo, concedida pela Unesco. A premiação, que ocorreu na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro, diz respeito ao Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo.
 
O conjunto reúne diários pessoais, desenhos feitos pelo próprio imperador, cadernetas, correspondências, registros de visitas, relatórios de despesas, jornais, homenagens, convites e outros documentos que reconstituem as viagens de d. Pedro II pelo país e por quatro continentes. Os cerca de 870 documentos serão complementados por outros, a partir de pesquisas da equipe do Arquivo Histórico, para formar um novo dossiê que concorrerá ao título internacional, em 2012.
 
Na cerimônia, oito conjuntos documentais receberam a diplomação. O presidente do Comitê Nacional do Programa Memória do Mundo, vice-almirante Armando de Senna Bittencourt, destacou que é fundamental conservar o patrimônio nacional e mundial. “O programa surgiu para preservar o patrimônio documental, que estava se deteriorando, e conscientizar a sociedade para sua importância”, afirmou.
 
O vice-almirante explicou ainda os critérios para que um conjunto documental receba a titulação: autenticidade; unidade e singularidade, ou seja, algo cujo desaparecimento seria uma perda para a humanidade; importância histórica; organicidade do conjunto, que deve vir de um único fundo; acessibilidade ao público, respeitando os limites para a conservação; e integridade.
 
O coordenador de Comunicação e Informação da Unesco no Brasil, Sr. Guilherme Canela Godoi, ressaltou que o programa contribui para divulgar a importância do patrimônio documental. “Para as Nações Unidas, tão relevante quanto proteger prédios e edifícios históricos é proteger os documentos e as imagens”, declarou. “Vemos com muito entusiasmo a forma como o Comitê Nacional vem levando adiante esse reconhecimento de documentos tão relevantes para nossa história. Os objetivos do programa são exatamente preservar o patrimônio, garantir acesso a ele, incentivando seu caráter educativo, e aumentar a consciência mundial para a importância da preservação”.
 
O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., recebeu a diplomação junto com a coordenadora do Arquivo Histórico, Neibe Cristina Machado da Costa, e dois membros de sua equipe, a historiadora Alessandra Bettencourt Figueiredo Fraguas e a arquivista Thais Cardoso Martins. Ele destacou que, além do trabalho da equipe, o prêmio reconhece o legado de d. Pedro II, um incentivador da cultura, da ciência e da educação. “A homenagem ocorre na véspera do aniversário do imperador, que amanhã, dia 2 de dezembro, comemoraria 185 anos. Que essa diplomação reitere o legado do brasileiro mais ilustre, para quem a educação era entendida como uma ferramenta de redenção nacional”, lembrou.
 
Também participaram da cerimônia o comandante da Marinha, Júlio Soares, o secretário-geral da Marinha, João Afonso de Farias, e o diretor-geral do Arquivo Nacional, Jaime Antunes.
 
Conjuntos premiados
 
Ao todo, oito conjuntos receberam a diplomação na cerimônia:
  
- Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo – Museu Imperial;
 
- Abrindo estradas no mar (1901 – 1975): levantamento cartográfico do litoral brasileiro – Departamento de Hidrografia e Navegação da Marinha;
 
- Fundação da Cinemateca brasileira: filmes, fotografias e textos – Arquivo Nacional;
 
- Arquivo Tamandaré: uma janela para o Estado Imperial Brasileiro – Departamento de Patrimônio Histórico e Documental da Marinha;
 
- Atlas Vingboos: mapas e cartas da costa atlântica da América do Sul no século XVII. Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano. IHGP – Recife;
 
- Viagem Filosófica: expedição científica de Alexandre Rodrigues Ferreira nas capitânias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá (1783-1792)
– Museu Nacional/Fundação Biblioteca Nacional;
 
- Fundo Secretaria de Governo da Capitania: Período Colonial Brasileiro (1649-1823) – Arquivo Público do Estado do Pará;
 
- Registros de Entrada de Passageiros na Bahia (1855-1964) – Arquivo Público do Estado da Bahia.
 
Sobre o Programa
 
O Programa Memória do Mundo, criado pela Unesco em 1992, reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional; mantém o seu registro e lhes confere um certificado, que os identifica.
 
O Programa facilita também a preservação e o acesso, sem discriminação, a este patrimônio e trabalha para despertar a consciência coletiva sobre a sua importância, visando aumentar a responsabilidade quanto ao patrimônio documental, alertando governos, público em geral, setores industriais e comerciais da necessidade de preservação e de arrecadar recursos.
  

Conjunto documental do Museu Imperial recebe título de Memória do Mundo

Conjunto documental do Museu Imperial recebe título de Memória do Mundo
 
D. Pedro II adorava viajar. Em um de seus diários pessoais, ele admite: preferia que seu pai continuasse imperador para que pudesse se dedicar mais às suas viagens. Mas, mesmo assumindo o trono ainda menino, o imperador conseguiu realizar seu desejo: percorreu o Brasil e o mundo ao longo de seus 49 anos de governo.
 
Todas essas viagens deixaram uma enorme variedade de registros documentais. É parte dessa coleção, organizada pelo Arquivo Histórico do Museu Imperial no Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo, que será agraciada pela UNESCO com o Registro Nacional do Comitê do Programa Memória do Mundo.
 
A diplomação ocorrerá no dia 1º de dezembro, às 16h, na Ilha Fiscal, Rio de Janeiro. O local escolhido possui relação estreita com o Império Brasileiro; foi lá que ocorreu o último baile da família imperial antes da Proclamação da República.
 
O título da Unesco, que tem por objetivo identificar documentos e/ou conjuntos documentais com valor de patrimônio documental da humanidade, reconhece a importância histórica dessa coleção, doada ao Museu em 1948 pelo príncipe d. Pedro Gastão de Orleans e Bragança. O conjunto é formado, entre outros documentos, por diários pessoais, desenhos feitos pelo próprio imperador, cadernetas, correspondências, registros de visitas, relatórios de despesas, jornais, homenagens e convites.
 
“O registro reconhece a importância do legado do imperador d. Pedro II e premia o trabalho desenvolvido ao longo de setenta anos no nosso Museu Imperial em benefício da sociedade brasileira”, afirma o historiador Maurício Vicente Ferreira Júnior, diretor do Museu Imperial.
 
O conjunto foi inscrito pelo Museu com um dossiê preparado pela equipe coordenada pela historiadora e arquivista Neibe Cristina Machado da Costa, responsável pelo Arquivo Histórico da instituição. O próximo passo será concorrer ao título internacional de Patrimônio da Humanidade, em 2012, para o que a equipe já vem trabalhando.
 
Os documentos textuais e iconográficos permitem, principalmente a partir das impressões detalhadas de d. Pedro II em seus registros, traçar um painel sobre o século XIX e suas transformações, revelando aspectos da evolução do pensamento, das descobertas científicas, da diversidade cultural e das paixões políticas, permitindo a análise das relações diplomáticas entre o Brasil e países de diferentes continentes.
 
O Museu Imperial é o único museu do IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus – a ser agraciado com o prêmio em 2010. Ao todo, foram apresentadas doze propostas de diversas organizações nacionais, das quais somente oito foram selecionadas.
 
Sobre o Programa
 
O Programa Memória do Mundo reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional; mantém o seu registro e lhes confere um certificado, que os identifica. O Programa facilita também a preservação e o acesso, sem discriminação, a este patrimônio e trabalha para despertar a consciência coletiva sobre a sua importância, visando aumentar a responsabilidade quanto ao patrimônio documental, alertando governos, público em geral, setores industriais e comerciais da necessidade de preservação e de arrecadar recursos.
 
A UNESCO criou o Programa Memória do Mundo, em 1992, devido à consciência crescente do lamentável estado de conservação do patrimônio documental e do deficiente acesso a este em diferentes partes do mundo.