banner imprensa

Museu Imperial lança guia de visitação em língua inglesa

Museu Imperial lança guia de visitação em língua inglesa

Lançamento ocorrerá durante reabertura da Casa de Cláudio de Souza

 

No dia 12 de julho, durante a solenidade de reabertura da Casa de Cláudio de Souza, o Museu Imperial concederá mais um presente ao seu público: na data, será lançada também a versão em inglês do Guia de Visitação do Museu Imperial. A solenidade ocorrerá às 18h30 e será aberta ao público, com entrada franca.

 

Patrocinada pela Família Imperial Brasileira, a publicação descreve todos os ambientes do palácio e seus anexos, como o jardim e o Pavilhão das Viaturas, além de destacar as principais peças do acervo. O guia fornece também algumas curiosidades, como hábitos da família imperial e seu cotidiano em Petrópolis, e apresenta um histórico e os setores técnicos do Museu.

 

Assim como ocorre com a versão em português, em circulação desde março, a de língua inglesa também será distribuída gratuitamente aos visitantes do Museu. O objetivo é atingir ao público estrangeiro, que também passará a visitar o palácio com a orientação do guia e poderá entender um pouco melhor o período imperial brasileiro.

 

A cerimônia de lançamento contará com a presença de dom Francisco de Orléans e Bragança, representando a Família Imperial Brasileira. Durante a solenidade, todos os presentes receberão as versões em português e em inglês do guia, além de outras publicações do Museu Imperial.

 

Além do lançamento, o evento marcará a reabertura da Casa de Cláudio de Souza, pertencente ao Museu Imperial, após um processo de restauro que durou cerca de oito meses. Haverá uma solenidade e uma leitura de contos do escritor Cláudio de Souza, com adaptação e interpretação do historiador, professor e diretor de teatro e cinema Flávio Kactuz.

 

A partir de agora, a casa será um novo centro cultural para a cidade, com uma exposição permanente dedicada ao escritor e sua biblioteca particular, que estará aberta ao público para consulta. Também serão realizadas atividades periódicas relacionadas à literatura, ao teatro e à música, áreas às quais Cláudio de Souza se dedicou.

 

Museu Imperial recebe pedagoga portuguesa para estágio profissional

Museu Imperial recebe pedagoga portuguesa para estágio profissional

 

A partir de 18 de julho, a pedagoga portuguesa Ana Soraia Gonçalves Barreto irá integrar a equipe do Setor de Educação do Museu Imperial. A profissional foi contemplada com uma bolsa de estágio profissional internacional financiada pelo programa português INOV-ART.

 

O programa tem como objetivo formar jovens com qualificação e experiência comprovadas no domínio cultural e artístico, através da sua integração, por um período limitado de tempo, em instituições internacionais de referência na mesma área. Visa também à contribuição para o desenvolvimento de projetos culturais, em cooperação internacional, por parte dos estagiários. O INOV-ART é promovido, gerido e executado pela Direcção-Geral das Artes – DG Artes, serviço central do Ministério da Cultura de Portugal.

 

“Além da troca de experiências, acredito que a estagiária poderá somar esforços na elaboração das próximas atividades educativas do setor, como material didático, oficinas culturais e artísticas da próxima exposição temporária do Museu e oficinas educativas para o público da nossa biblioteca infantil, a Biblioteca Rocambole”, destaca Regina Resende, chefe do setor de Educação do Museu Imperial.

 

Além da formação em Pedagogia, Ana Soraia possui especialização na área das Artes, já tendo desenvolvido projetos de cunho educativo e de intervenção social e comunitária. Sua atuação se estende, ainda, a experiências de intercâmbio em países como Bélgica, Espanha, Dinamarca e Itália.

 

O estágio da pedagoga terá duração de cinco meses, período em que o Setor de Educação do Museu Imperial espera receber a valiosa contribuição em sua ação educativa. Seu plano de estágio envolve o desenvolvimento de atividades que estejam em consonância com as metas e diretrizes do Museu Imperial e será supervisionado pela pedagoga Regina Helena de Castro Resende, chefe do Setor de Educação.

 

Reaberta em julho, Casa de Cláudio de Souza vira novo centro de cultura e lazer

Reaberta em julho, Casa de Cláudio de Souza vira novo centro de cultura e lazer

 

A partir de 12 de julho, Petrópolis contará com mais um centro de cultura e lazer. Na data, às 18h30, será reaberta a Casa de Cláudio de Souza, pertencente ao Museu Imperial, após um importante processo de restauro que durou cerca de oito meses. A solenidade será aberta ao público, com entrada franca.

 

O evento contará com a leitura de peças literárias de autoria do acadêmico Cláudio de Souza. O historiador, professor e diretor de teatro e cinema Flávio Kactuz irá apresentar dois contos do livro Sol e Sombra, publicado em 1945, com o intuito de homenagear o escritor, ressaltando seu estilo inovador e grande originalidade como contista.

 

O espaço, localizado na Praça da Liberdade, contará com um museu-casa, a biblioteca do acadêmico, que estará aberta a consultas do público, e uma galeria para eventos e exposições temporárias. Também permanecerão na casa as sedes e bibliotecas da Academia Petropolitana de Educação, da Academia Petropolitana de Letras, da Academia Brasileira de Poesia – Casa de Raul de Leoni e do Instituto Histórico de Petrópolis.

 

Estão previstos ainda eventos periódicos, como leituras de obras literárias, encenação de peças, exposições e outras atividades relacionadas à literatura, ao teatro e à música, áreas às quais Cláudio de Souza se dedicou.

 

Segundo o diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., "o projeto de ocupação da Casa de Cláudio de Souza visa a respeitar os termos da doação do imóvel e coleção ao Museu Imperial, bem como resgatar o legado de um dos mais importantes dramaturgos da primeira metade do século XX. Em suma, trata-se da parceria entre o Museu Imperial e entidades locais para o oferecimento de mais um espaço de efervescência literário-cultural para a cidade de Petrópolis".

 

A primeira atividade após a reabertura ocorrerá no dia 14 de julho, quinta-feira, às 18h30. Na ocasião, será apresentada a “Releitura dramática de Cláudio de Souza”, uma adaptação de várias peças do escritor. A atividade será coordenada pelo professor Joaquim Eloy e terá participação de atores do Teatro Experimental Petropolitano.

 

Cláudio de Souza

 

Natural de São Roque (SP), Cláudio Justiniano de Souza (1876-1954) foi um importante acadêmico e literato brasileiro tendo presidido a Academia Brasileira de Letras em duas ocasiões (1938 e 1946).

 

Apesar de ter-se graduado em Medicina (1897) e exercido a profissão por anos, sua inclinação para a escrita começou cedo. Ele colaborou com diversos jornais e revistas e, em 1898, publicou seu primeiro trabalho, Os nevropatas e os degenerados. Sua estreia no teatro ocorreu em 1915, com a comédia Eu arranjo tudo. Pouco depois, apresentou Flores de sombra, que se tornou uma obra de grande influência no teatro brasileiro.

 

Membro-fundador da Academia Paulista de Letras, em 1909, abandonou definitivamente a medicina em 1913, passando a dedicar-se às viagens pelo mundo e à literatura. Foi ainda o fundador e primeiro presidente do Pen Clube do Brasil.

 

A Casa de Cláudio de Souza

Em 1956, dona Luiza Leite de Souza, viúva de Cláudio de Souza, doou a casa do acadêmico em Petrópolis ao Museu Imperial. A doação incluiu o vasto acervo presente na edificação, como livros, fotografias, móveis, pinturas modernistas e objetos, que ficarão expostos e disponíveis para consulta a partir da reinauguração.

 

A biblioteca particular de Cláudio de Souza doada ao Museu possui um total de 660 obras, com livros de sua autoria e de outros autores consagrados, incluindo algumas obras raras. A maioria é constituída por peças de teatro brasileiro com dedicatória dos autores. Já os móveis, pinturas e objetos somam 158 peças.

 

O restauro

 

O Museu Imperial deu início, em novembro de 2010, à reforma da Casa de Cláudio de Souza, com o objetivo de restaurar e preservar esse patrimônio histórico e cultural não só da cidade, mas também do país.

 

A casa foi tombada em 1964 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e, por isso, a obra, que obteve aprovação do órgão, teve como premissa preservar e recuperar aspectos originais. Um exemplo é a recuperação da pigmentação original nos salões do primeiro pavimento, onde a mesma coloração foi utilizada na repintura das paredes.

 

A intervenção contou ainda com: reparação das estruturas do telhado e de escoamento de água; substituição de janelas e esquadrias, mantendo os padrões originais; recuperação da serralheria de janelas e portas; repintura de paredes e tetos; troca de pisos; revisão de toda a parte elétrica; limpeza e consolidação dos azulejos decorativos externos. O Museu Imperial também reforçou a segurança da casa, com a instalação de um sistema de monitoramento por câmeras.

 

Biblioteca infantil do Museu Imperial tem programação especial em julho

Biblioteca infantil do Museu Imperial tem programação especial em julho

 

A biblioteca infantil do Museu Imperial, Biblioteca Rocambole, preparou uma programação especial para julho. Ao longo do mês, serão realizadas rodas de leitura, contações de história, exibições de vídeos e oficinas com o objetivo de incentivar as crianças à leitura.

 

No dia 07, às 14h, será comemorado o Dia das Avós. Na data, haverá contação de história da obra “O Livro da Avó”, de Luís Silva, seguida de oficina de criação de texto coletivo e de desenho, com Alaíde Guedes. A atividade é voltada para a faixa etária de 4 a 6 anos de idade e grupos de, no máximo, 15 alunos.

 

“O Livro da Avó” resgata memórias de ternura da relação entre avó e neto, como as festas, as brincadeiras com os primos, os passeios e a varanda com o mar como horizonte. O neto relembra os carinhos e os ensinamentos quando era menino na casa da avó, momentos que, na saudade da infância, mostram a falta que as avós nos fazem.

 

Nos dias 13 e 37, a contação de história ficará por conta do livro “A barba do tio Alonso”, de Emma King –Farlow. Serão recebidas crianças a partir de 5 anos em grupos de, no máximo, 20.

 

A obra narra a vida do tio Alonso, que tinha uma barba tão enorme que nela vivia muita gente: um veterinário, um doutor, um agricultor, uma freira, um ator. Tio Alonso adorava companhia e não cortava a barba de jeito nenhum. Tudo ia bem, até que a barba pegou fogo. Agora, um problema: aonde toda aquela gente iria morar? Com ilustrações de página inteira, coloridas e cheias de detalhes, a curiosa história do homem com a maior barba do mundo é narrada em versos rimados, recheados de humor.

 

Em 15 de julho, às 13h30, será exibida a animação O Corcunda de Notre Dame. O filme conta as aventuras do tímido e simpático sineiro Quasimodo, da Catedral de Notre Dame, junto à bela cigana Esmeralda.  A atividade é destinada a crianças a partir de 5 anos e grupos de até 20 pessoas.

 

Outra exibição de vídeo ocorrerá no dia 22, às 13h30, com a animação Robin Hood. Na história, o ganancioso príncipe João governa a Inglaterra com uma abusiva cobrança de impostos. Para acabar com a situação, o rebelde Robin Hood e seus amigos lutam bravamente para devolver o trono ao Rei Ricardo. Podem participar da atividade grupos de até 20 crianças, a partir de 5 anos de idade.

 

Todas as atividades devem ser previamente agendadas junto ao setor de Educação do Museu Imperial, através do telefone (24) 2245-7735.

 

A Biblioteca Rocambole funciona de quarta a sexta-feira e está aberta ao público das 9h às 12h para consultas e empréstimos. Na parte da tarde, são realizadas atividades com grupos escolares agendados. O espaço conta com um acervo de cerca de 350 obras, incluindo livros, revistas, gibis, DVDs, jogos, atlas e dicionários. Para realizar empréstimos, é preciso fazer um cadastro gratuito.