banner imprensa

Museu Imperial é destaque na edição 2011 do Guia Quatro Rodas

Museu Imperial é destaque na edição 2011 do Guia Quatro Rodas

O Museu Imperial ganhou destaque no Guia Quatro Rodas Brasil 2011, um dos maiores e principais guias turísticos do país. O MI recebeu cinco estrelas – a pontuação máxima atribuída pela publicação – sendo o único dos museus administrados pelo Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura a alcançar semelhante êxito.

Segundo o Guia, o Museu merece cinco estrelas porque “parece até que a família imperial deixou o local há pouco tempo, de tão preservados que estão o prédio e o acervo, repleto de relíquias históricas. O cenário transporta você para a época do Segundo Reinado (1840/1889)”. A publicação chama a atenção ainda para o belo jardim e o espetáculo Som e Luz, que acontece de quinta a domingo, às 20h.

O Guia Quatro Rodas traz também um infográfico que mapeia todo o Palácio e fornece informações adicionais sobre os principais ambientes. Aparecem em destaque a Sala de Estado, o Gabinete do Imperador, a Sala das Joias, a Sala do Primeiro Reinado, a Sala da Coroa, a Sala Dourada e a Sala de Música.

O Museu Imperial fica localizado à Rua da Imperatriz, 220, Centro, Petrópolis. Para mais informações, acesse www.museuimperial.gov.br.

Museu Imperial realiza reformas para preservar patrimônio histórico nacional

Museu Imperial realiza reformas para preservar patrimônio histórico nacional

Para garantir a integridade física das edificações sob sua responsabilidade, o Museu Imperial inicia a reforma da Casa Cláudio de Souza. A obra teve início nesta segunda-feira, dia 25 de outubro.

A reforma tem como objetivo conservar esse patrimônio histórico e cultural da cidade de Petrópolis e do país. Serão realizadas pinturas e recuperação de pisos, paredes, esquadrias e instalações.

O prédio, construído no final do século XIX, foi doado à União em 1956 por dona Luiza Leite de Souza, viúva do acadêmico Cláudio de Souza, para ser anexado ao Museu Imperial e receber atividades culturais. A doação foi aceita pelo Decreto nº 39.446/1956, assinado pelo presidente Juscelino Kubitschek. A casa foi tombada juntamente com o conjunto urbano-paisagístico de Petrópolis em 1980.

Para ampliar, ainda mais, sua relação com a municipalidade, o Museu Imperial abriga, na Casa Cláudio de Souza, a Academia Brasileira de Poesias, as Academias Petropolitanas de Educação e de Letras e o Instituto Histórico de Petrópolis. Durante o período de obras, as atividades das referidas entidades ocorrerão no Auditório e na Sala Multimídia do Museu Imperial.

::Cláudio de Souza (1876-1954)::

Natural de São Roque (SP), Cláudio de Souza era filho de Cláudio Justiniano de Souza e Antônia Barbosa de Souza. A inclinação para a escrita começou bem cedo em sua vida, colaborando para os jornais cariocas O Correio da Tarde e A Cidade do Rio. Em 1897, formou-se em medicina no Rio de Janeiro e retornou para São Paulo, clinicando na capital e lecionando na Faculdade de Farmácia, hoje pertencente à Universidade de São Paulo.

Ao mesmo tempo, continuou contribuindo para jornais utilizando pseudônimos. Membro-fundador da Academia Paulista de Letras, em 1909, abandonou definitivamente a medicina em 1913, passando a dedicar-se às viagens pelo mundo e à literatura. Casado com a Sra. Luísa leite de Souza, filha do barão do Socorro, fixou residência no Rio de Janeiro.

Escreveu inúmeras peças teatrais, artigos e textos científicos. Eleito para a Academia Brasileira de Letras, em 1924, ocupou a cadeira de número 29 (cujo patrono é Martins Pena). Presidiu a ABL por duas vezes, em 1938 e 1946, tendo então dirigido as comemorações do cinqüentenário daquela instituição.

Em 1956, a viúva d. Luísa Leite de Souza fez a doação da edificação, livros, fotografias, e demais objetos do escritor ao Museu Imperial.

Museu Imperial recebe título de Memória do Mundo da UNESCO

Museu Imperial recebe título de Memória do Mundo da UNESCO
  
A instituição é a única unidade do IBRAM agraciada, este ano, com o prêmio
  
O Museu Imperial recebeu a nominação para o Registro Nacional do Comitê do Programa Memória do Mundo, concedida pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura –, que tem por objetivo identificar documentos e/ou conjuntos documentais com valor de patrimônio documental da humanidade. A nominação no Registro Nacional diz respeito ao Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo.
  
“O registro reconhece a importância do legado do imperador d. Pedro II e premia o trabalho desenvolvido ao longo de setenta anos no nosso Museu Imperial em benefício da sociedade brasileira”, afirma o historiador Maurício Vicente Ferreira Júnior, diretor da instituição.
 
O conjunto é de importância, não só para a biografia do segundo imperador do Brasil, mas, sobretudo, para a pesquisa da história do país e do contexto social, cultural e político internacional da segunda metade do século XIX. É constituído de diários pessoais, cadernetas e itinerários de viagens, correspondências, registros de visitas e contatos do imperador, relatórios de despesas da mordomia imperial, jornais e outros periódicos, panfletos, programas, saudações e homenagens, convites, desenhos e gravuras, doado, em 1948, ao Arquivo Histórico do Museu pelo príncipe d. Pedro Gastão de Orleans e Bragança.
 
O conjunto documental, referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo, foi inscrito pelo Museu com um dossiê preparado pela equipe coordenada pela historiadora e arquivista Neibe Cristina Machado da Costa, que destaca o empenho da equipe na preparação da documentação: “a seleção do conjunto documental relativo às viagens de d. Pedro II pelo Brasil e pelo Mundo é um prêmio ao trabalho de equipe do Museu Imperial”, avalia Neibe Cristina, responsável pelo Arquivo Histórico da instituição.
Os documentos textuais e iconográficos permitem, principalmente a partir das impressões detalhadas de d. Pedro II em seus registros, traçar um painel sobre o século XIX e suas transformações, revelando aspectos da evolução do pensamento, das descobertas científicas, da diversidade cultural e das paixões políticas, permitindo a análise das relações diplomáticas entre o Brasil e países de diferentes continentes e, por tudo isso, configurando sua importância nacional e mundial.
 
O Museu Imperial é o único museu do IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus – a ser agraciado com o prêmio, em 2010. Ao todo, foram apresentadas doze propostas de diversas organizações nacionais, onde somente oito foram selecionadas. A cerimônia de diplomação será realizada no Rio de Janeiro, ainda este ano.
O anúncio da nominação será feito na segunda-feira (18), em solenidade de abertura da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, às 10h, no auditório do Museu.
 
Sobre o Programa:
 
O Programa Memória do Mundo reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional; mantém o seu registro e lhes confere um certificado, que os identifica. O Programa facilita também a preservação e o acesso, sem discriminação, a este patrimônio e trabalha para despertar a consciência coletiva sobre a sua importância, visando aumentar a responsabilidade quanto ao patrimônio documental, alertando governos, público em geral, setores industriais e comerciais da necessidade de preservação e de arrecadar recursos.
 
A UNESCO criou o Programa Memória do Mundo, em 1992, devido à consciência crescente do lamentável estado de conservação do patrimônio documental e do deficiente acesso a este em diferentes partes do mundo.