banner imprensa

Museu Imperial oferece Som e Luz e horário especial no feriado


Museu Imperial oferece Som e Luz e horário especial no feriado

 

No feriado de 15 de novembro, dia da Proclamação da República, o Museu Imperial terá uma programação especial. Serão horários especiais de funcionamento e apresentações extras do espetáculo Som e Luz que visam a oferecer opções de lazer e cultura para petropolitanos e visitantes de fora.

 

No dia 14, o Museu irá abrir suas portas excepcionalmente em uma segunda-feira. Desse modo, a visitação ocorrerá no horário normal, das 11h às 18h, de sábado a terça-feira.  

Nos dias 13 (domingo) e 14 (segunda), às 20h, serão oferecidas apresentações extras do espetáculo Som e Luz, que acontece regularmente de quinta a sábado no mesmo horário. Os ingressos custam R$ 20, mas, para as duas edições especiais, petropolitanos e moradores da cidade pagarão o valor promocional de R$ 5.

 

A Casa de Cláudio de Souza, pertencente ao Museu Imperial, não abrirá para visitação no feriado. O local funcionará normalmente de quarta a sexta-feira, com visitação gratuita das 11h às 18h.

Museu Imperial participa de congresso internacional


Museu Imperial participa de congresso internacional

 
O Museu Imperial participa do III Congresso Internacional UFES/Université Parris-Est/Universidade do Minho, iniciado hoje em Vitória (ES). A instituição é representada pela equipe do Arquivo Histórico, que apresentará o trabalho Diários de D. Pedro II: viagens de conhecimento e reconhecimento.

A apresentação acontece na quinta-feira (10), no Simpósio Temático 07: “História e escritas (auto) biográficas: invenções e narrativas de si”, coordenado pelos professores Juçara Luzia Leite (UFES) e Iranilson Buriti de Oliveira (UFCG).

 

O trabalho versa sobre o Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo, que reúne documentos escritos, diários, desenhos, convites, jornais e outros itens relacionados às viagens do imperador, todos pertencentes ao acervo do Arquivo Histórico do Museu Imperial. O conjunto foi agraciado em 2010 com o registro nacional do Programa Memória do Mundo da Unesco.

 

O Congresso é realizado de 07 a 10 de novembro na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Para mais informações, acesse www.ufes.br/ppghis/congresso.

 1

Sociedade de Amigos doa peças para o acervo do Museu Imperial


Sociedade de Amigos doa peças para o acervo do Museu Imperial

Doações foram realizadas no evento de comemoração dos 20 anos da SAMI

 o_diretor_do_mi_maurcio_vicente_ferreira_jr._e_os_membros_da_sami

No último sábado, dia 05 de novembro, foram comemorados os 20 anos da Sociedade de Amigos do Museu Imperial (SAMI). Para celebrar, foi realizada uma cerimônia na qual a associação presenteou o Museu com peças para os acervos museológico, arquivístico e bibliográfico da instituição.

 

Para a Biblioteca foi doada uma obra raríssima, Funcções do casamento de sua Magestade Imperial, o senhor Dom Pedro I° com a sereníssima senhora princesa Amelia de Leuchtenberg. O livro, datado de 1830, traz todo o serviço do casamento de d. Pedro I com sua segunda esposa, d. Amélia, além de poemas e dedicatórias escritas para os noivos. Entre elas, encontra-se uma ode escrita por Félix Émile Taunay, importante pintor francês do século XIX.

 

O Museu recebeu ainda, para o setor de Museologia, um retrato de d. Leopoldina, primeira imperatriz do Brasil. A pintura tem autoria e data desconhecidas, mas, pelos trajes, é possível identificar que d. Leopoldina foi retratada já como imperatriz, o que restringe o período entre 1822 e 1826 (ano de seu falecimento).

 

Já o Arquivo Histórico foi presenteado com uma série de oito fotografias que formam um panorama em 360° de Petrópolis. As imagens foram capturadas em 1898 por Jorge Henrique Papf, a partir do Morro do Cruzeiro (conhecido atualmente como Morro dos Milionários) e incluem a cadeira na qual o imperador d. Pedro II costumava se sentar para apreciar a vista da cidade.

 

O presidente da SAMI, dr. Miguel Pachá, ressaltou a importância das sociedades de amigos de museus. “Essas associações são necessárias para que o museu possa desenvolver atividades além das possibilitadas pelo seu orçamento anual, como é o caso da aquisição dessas peças. Assim, mantemos os museus vivos”.

 

O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Júnior, lembrou que, na data, também era comemorado o Dia Nacional da Cultura, sendo uma ocasião para enfatizar a importância da SAMI não só para o Museu Imperial, mas para a cultura de forma geral.

 

“As principais missões de um museu são preservar, pesquisar e comunicar seu acervo. E a Sociedade de Amigos e demais parcerias que o Museu possui permitem ampliar essas atividades”, afirmou. “Através dessas parcerias, conseguimos desenvolver projetos como o espetáculo Som e Luz, patrocinado pela Eletrobras, o restauro da Berlinda de Aparato de d. Pedro II, financiada pela GE Celma, e o Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial (DAMI), patrocinado em sua primeira fase pela IBM e, atualmente, mantido pela própria SAMI”.

 

Após a cerimônia, foi oferecido pela SAMI um concerto de Turíbio Santos no Cine Teatro Museu Imperial, gratuito e aberto à população. Considerado um dos principais violonistas brasileiros da atualidade, Turíbio apresentou obras de importantes compositores nacionais, desde Heitor Villa-Lobos a Jackson do Pandeiro, passando por João Pernambuco e Luiz Gonzaga.

 

Berlinda de d. Pedro II será restaurada às vistas do público


Berlinda de d. Pedro II será restaurada às vistas do público

 

A partir do dia 8 de novembro, o público poderá acompanhar o restauro de uma das mais emblemáticas peças do Museu Imperial: a berlinda de aparato de d. Pedro II, conhecida como “Monte de Prata” ou “Carro Cor de Cana”. A iniciativa, que conta com patrocínio da empresa petropolitana GE Celma, a partir da Lei de Incentivo à Cultura, e o apoio da Sociedade de Amigos do Museu Imperial (SAMI), permitirá a conservação desse patrimônio histórico.

 

O projeto foi iniciado há cerca de um ano, com a captação de recursos, aquisição de material, planejamento estratégico, adaptação do espaço e, mais recentemente, o desmonte das peças da viatura. No dia 08, será iniciado o processo de restauro em si, realizado às vistas do público. O procedimento ocorrerá na Galeria de Restauro, sala recém-inaugurada pelo Museu Imperial, anexa ao Pavilhão das Viaturas.

 

Além de poderem seguir a restauração de perto, estudantes, profissionais da área e outros interessados também poderão acompanhá-la através do portal do Museu Imperial (www.museuimperial.gov.br). Periodicamente, uma página especial será atualizada com informações e fotos do projeto.

 

É a primeira vez que a peça, construída em 1837, passa por uma intervenção tão complexa, que deve durar cerca de 12 meses. A restauração será feita diretamente pela equipe do Laboratório de Conservação e Restauração do Museu, que realizou a capacitação de pessoas da comunidade petropolitana para auxiliar no processo.

 

A Berlinda

 

A berlinda de aparato foi construída em 1837 pela firma britânica Pearce & Countz, fornecedora da Casa Real Inglesa, especialmente para a cerimônia de sagração e coroação de d. Pedro II, ocorrida no dia 18 de julho de 1841. Era utilizada pelo imperador em ocasiões solenes, como os casamentos de suas duas filhas, a abertura e o fechamento da Assembleia Geral.

 

A carruagem foi confeccionada em madeira e ferro e tem em seus elementos decorativos prata, madeira entalhada com folha de ouro e pintura que remete à cana-de-açúcar, couro, janelas em cristal, bordados e galões em fios dourados, estofamentos e revestimentos em veludo de algodão, etc. Era puxada a oito cavalos.