banner imprensa

Projeto "Contando a gente se entende" é realizado na Casa de Cláudio de Souza

Cotado para ser realizado uma vez por mês na Casa de Cláudio de Souza (unidade do Museu Imperial), o encontro “Contando a gente se entende” já tem dia e horário para acontecer: dia 18 de julho, das 16 horas às 18 horas, com a educadora Perses Canellas e a arte terapeuta Dulce Eugênia. O evento possui entrada gratuita e limite de 30 vagas.

Segundo as promotoras do projeto, o objetivo é que contadores de histórias e mediadores de leitura de Petrópolis troquem experiências que façam com que cada um amplie seu repertório de contos, além de trocar bibliografias e compartilhar suas vivências como contador. “Iremos refletir sobre a importância dos contos no mundo atual, já que estaremos reunidos com colegas que já desenvolvem o trabalho de contação na cidade, ou, até mesmo, avôs e avós que acreditam no poder das histórias”, explica Dulce Eugênia, conhecida como Tia Dulce do Mundo Verde.

- Para que o encontro entre pessoas seja uma arte, é necessário que as palavras sejam poéticas, carregadas de significados e de histórias. Acreditamos que contando contos, histórias, relatos, aprendizagens, a gente se entende – completa, Perses Canellas.

AS EDUCADORAS – Dulce Eugênia é Arte Terapeuta, Assistente Social e Voluntária do Viva e Deixe Viver. Contando histórias, ela busca promover a leitura através de atividades em bibliotecas, escolas, hospitais e instituições para terceira idade. Tia Dulce também organiza cursos de contação de história, ministrados por ela, em ONG´s, escolas e casas religiosas.

Já Perses Canellas é mestre em educação e especialista em questões raciais. Também atua como contadora de histórias africanas e é voluntária do Viva e Deixe Viver. Atualmente, cursa pós graduação em Literatura Infanto-juvenil (Letras/UFF). Perses idealizou e colocou em prática o Projeto de Leitura Griot, que conta e reconta histórias africanas no Instituto de Educação de Niterói e, hoje, desenvolve o projeto “Um Palácio de Histórias”, no Museu do Ingá (Niterói/RJ).

O projeto “Contando a gente se entende” é voltado, não só para contadores de histórias, como para mães, avôs, avós e professores e possui um limite de 30 vagas por encontro. A entrada é franca. Mais informações através do email tiadulce@mundoverde.com.br ou dos telefones (21) 2581-3467, (21) 99676-8176 e (21) 97919-9693.

A Casa de Cláudio de Souza fica na Praça da Liberdade, 247, Centro, Petrópolis. O espaço, doado ao Museu Imperial pelo escritor e teatrólogo Cláudio de Souza, recebe eventos artísticos e culturais, além de abrigar exposições sobre seu titular. A casa também está aberta à visitação de terça a sexta-feira, das 11h às 18h, com entrada franca.

 
SERVIÇOS
 
Casa de Cláudio de Souza/Museu Imperial
Endereço: Praça da Liberdade, 247, Centro – Petrópolis, RJ
Contatos: (24) 2231-5156 / (24) 2231-4722 / mimp.casaclaudiodesouza@museus.gov.br
Visitação: de terça a sexta, das 11h às 18h
Biblioteca: de terça a sexta, das 13h30 às 17h30 (em outros horários, mediante agendamento pelo e-mail    mimp.biblioteca@museus.gov.br)
 
Museu Imperial/Ibram/MinC
Endereço: Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis, RJ
Telefones: (24) 2233-0300 / (24) 2233-0360
Twitter: @museuimperial
 
Visitação: de terça a domingo, das 11h às 18h
Jardins: de terça a domingo, das 8h às 18h
 
Preços:
Adultos: R$ 8,00
Estudantes, professores e maiores de 60 anos: R$ 4,00
Menores de 7 anos e maiores de 80: gratuito
Moradores de Petrópolis e petropolitanos, às quartas-feiras e no último domingo do mês: gratuito
 
 
Assessoria de Imprensa
Tarsila Rangel
(24) 2233-0321 / 2233-0392