• Palácio Imperial de Petrópolis, residência de verão do imperador d. Pedro II e sua família, construído entre 1845 e 1862. Abriga o Museu Imperial desde 1940.
  • François René Moreaux. Proclamação da Independência do Brasil. Óleo sobre tela, 1844.
  • D. Pedro II. Escultura oferecida pela municipalidade de Petrópolis ao Museu Imperial, em 1941. Jardins do Palácio Imperial de Petrópolis.
  • Friedrich Hagedorn. Vista do Palácio Imperial de Petrópolis. Têmpera sobre cartão, c. 1855.
  • Sala de Estado. Palácio Imperial de Petrópolis. À esquerda, o trono imperial do Palácio de São Cristóvão, residência oficial da família imperial brasileira.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
Biblioteca Rocambole homenageia a música clássica e o dia dos animais

Em homenagem ao Dia Nacional da Música Clássica e ao Dia dos Animais, a Biblioteca Rocambole (Museu Imperial/Ibram) promete muitas novidades para o público infantil no mês de março. Como de costume, a programação estimulará a exploração do acervo através de oficinas criativas e leitura de histórias dinâmicas. Desta vez os temas abordados serão a música e os animais. Todas as atividades são gratuitas e destinadas a grupos escolares previamente agendados junto ao setor de Educação do Museu Imperial.

Nos dias 3 e 4 de março, a hora do conto será com o livro “Cadê o juízo do menino?”. Com ilustrações divertidas de Mariana Massarini, o livro de Tino Freitas conta a história de um menino que perdeu o parafuso do juízo, dando origem a uma grande confusão onde as crianças poderão desvendar a cada página. alt

No dia 5, Tchaikovsky terá sua infância contada através de Ann Rachlin e Susan Hellard. O livro, que compõe a coleção Crianças Famosas, contará a meninice de um dos maiores compositores já existentes. Piotr Ilitch Tchaikovsky era uma criança muito atenta e gostava de reproduzir os sons que ouvia. Certa vez, ao querer imitar o barulho do casco de cavalo no vidro, o pequeno compositor teve suas mãos cortadas. A partir do incidente, sua mãe o colocou em aula de piano para que os sons se tornassem música. A música se tornou a inspiração do menino que cresceu e criou óperas, sinfonias, concertos e a música de três balés famosos: O Lago do Cisne, A Bela Adormecida e O Quebra-Nozes. Através de atividades de sensibilização musical, as crianças poderão conhecer um pouco da rica obra deste grande compositor.

Nos dias 10 e 11, em homenagem aos animais, o conto será “O time do tico-tico”, de Hebe Coimbra. Da coleção Tirando de Letra, o livro estimula e reforça o processo de alfabetização sem perder a magia da literatura. Esta obra conta a história de uma partida de futebol entre duas equipes curiosas: o time do Tico-tico e o time do Tubarão. Ao decorrer da leitura será possível conhecer o vencedor deste jogo.

altNo dia 12, será contada a história “Os animais do Mundinho”. Através de ilustrações em tangram, quebra-cabeça chinês, a autora Ingrid Biesemeyer Bellinghausen procura mostrar aos pequeninos a diferença entre os animais e seus habitats. Além de propiciar o desenvolvimento lógico e geométrico, o jogo chinês diverte e desafia os pequenos, transformando a leitura em uma grande brincadeira, que será reforçada pela oficina criativa na Rocambole.

Nos dias 17 e 18 de março será a vez de “Pega esse crocodilo!”. Através de versos a autora Anushka Ravishankar inverte a lógica e mostra para as crianças quem ameaça a sobrevivência de quem, mostrando que o homem é que desrespeita o meio ambiente. 

“O que os olhos não veem”, de Ruth Rocha, será apresentado no dia 19. A fábula questiona o autoritarismo através de um rei que manda e desmanda em seu povo. Cansada, a população se une e com muita inteligência, obriga o rei a enxergá-la e ajudá-la. 

Nos dias 24 e 25 a Biblioteca Rocambole contará a história de “João e o Pé de Feijão”. A autora, Ingrid Biesermeyer Bellinghausen reconta, através de recortes cores e algodão, a história do menino que troca sua vaca leiteira por um punhado de feijões mágicos, dando um novo formato ao texto.
O último conto será no dia 26 de março, “Desastreliques”, de Tatiana Belinky. A história fala sobre um menino que adora brincar, mas não é atento. Os desastres e contratempos acontecem e ele coloca a culpa nos objetos que o cercam. Será que ele está certo?
A Biblioteca Rocambole funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 12h, para leitura espontânea, consultas e empréstimos. Na parte da tarde, o espaço abre as portas para as atividades escolares agendadas através do telefone (24) 2233-0345, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 12h30 às 17h30.
O acervo é composto por cerca de 600 títulos, entre livros, revistas, gibis, dicionários, atlas, DVDs e jogos.  Sua programação mensal de atividades e outras informações relativas ao seu funcionamento e obras podem ser acessadas no Blog da Biblioteca: http://bibliotecarocambole.blogspot.com.

04 de março de 2015